Posts Tagged ‘ Bem-estar ’

Actualidade

Sem meios para desenvolvermos as qualidades que dão sentido à vida e que nos trazem uma genuína paz e um genuíno bem estar, ficamos à mercê de publicitários, comprando coisas e procurando entertenimento para encontrarmos a felicidade porque ansiamos. Alguns de nós tentam obtê-la através de comprimidos com um efeito sobre o funcionamento químico dos nossos cérebros, ou então somos deixados à mercê dos nossos pensamentos sobre a nossa infância, a nossa auto-estima, as nossas limitações e a nossa capacidade de ligar com a satisfação do maior número de desejos que conseguirmos. Sem um enfoque real no amor, na compaixão, no contentamento e na alegria, somos deixados com uma abordagem muitíssimo limitada à psicologia, que é útil em nos ajudar com certas condições patológicas, mas praticamente inútil no que diz respeito a vivermos vidas completas e a ensinarmos as nossas crianças a fazê-lo igualmente. 

The Lost Art of Compassion

Bem estar e sofrimento: estados mentais

Um dos mais essenciais conhecimentos, e que forma a base de toda a psicologia Budista, é a ideia de que quer a felicidade quer o sofrimento são são estados mentais e de que portanto as suas causas também deverão ser sobretudo mentais. O principal objectivo da psicologia Budista é então ajudar a entender que tipos de fenómenos mentais levam a estados de bem estar e que tipo de fenómenos levam ao sofrimento, ao mesmo tempo que providencia os instrumentos e métodos necessários para reduzir os estados negativos e aumentar os positivos.

The Lost Art of Compassion

Encontrar paz e bem-estar

Sogyal Rinpoche oferece-nos conselhos sobre como encontrar paz e bem estar através da meditação.
.

Genuíno bem estar

Os ensinamentos do Buda sobre mindfulness (“atenção plena”) apontam num sentido – compreensão e libertação do sofrimento. Apesar disso, existem certas recompensas ao longo do caminho: uma maior compaixão e uma consciência livre, são dois exemplos. E mesmo, arriscaria eu dizer, felicidade. Todos pretendemos ser felizes, mas como o monge Matthieu Ricard afirma: “Existe uma grande diferença entre aspiração e realização.” As “receitas de curto prazo” e as gratificações imediatas que eu penso que me vão fazer felizes no longo prazo, nunca o fazem, deixando-me com o coração vazio. A atenção plena liberta a verdade escondida sobre as desculpas e a confusão, iluminando o caminho para uma genuína satisfação.

Se eu apenas prestasse atenção…

Joan Duncan Oliver, “Do I Mind?”

Neurociência das emoções

A capacidade de reconhecer e trabalhar com diferentes emoções é fundamental para a nossa flexibilidade psicológica e o nosso bem-estar. A neurociência tem contribuído para o entendimento das bases neuronais das emoções, da regulação emocional e da inteligência emocional, assim como tem começado a elucidar-nos sobre os mecanismos no cérebro envolvidos no processamento das emoções. Um tópico de grande interesse é o grau a que estes mecanismos demonstram neuroplasticidade, tanto a nível anatómico, como a nível funcional, algo explorado nesta conversa.

O orador é Phillippe Goldin.